Bahia Sem Fome integra reunião de assinatura de contratos para aquisição de alimentos da Agricultura Familiar para Alimentação Escolar

 

50 milhões investidos, atendendo mais de 300 mil estudantes de 444 escolas estaduais

O Programa Bahia Sem Fome (BSF) integrou a reunião de assinatura de 11 contratos de edital da Secretária da Educação para a aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), na manhã dessa quinta-feira (28), no gabinete do governador Jerônimo Rodrigues, no Centro Administrativo da Bahia, em Salvador.

A iniciativa vai atender 316 mil estudantes de 444 unidades escolares espalhadas em 56 cidades das regiões Litoral Sul, Portal do Sertão, além de Salvador e Região Metropolitana, através da Secretaria de Educação (SEC) e da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). Serão investidos R$ 50 milhões para a aquisição de alimentos de nove associações e cooperativas rurais de pequenos produtores.

A autorização foi realizada pelo governador Jerônimo, que foi enfático em defender a necessidade de considerar com sensibilidade as demandas da comunidade escolar, sobretudo no âmbito do combate à fome, tema prioritário de sua gestão. “Enquanto a agricultura familiar não tiver condições de oferecer tudo, alimento suficiente, tem que ter comida na mesa das pessoas. Essa é a prioridade do meu governo e eu não vou ficar esperando para que a população tenha o que comer”, frisou o chefe do executivo estadual.

O fortalecimento da agricultura familiar está incluído na inclusão socioprodutiva, um dos eixos do BSF que pressupõe uma articulação intersetorial com olhar integral sobre o ser humano e suas necessidades básicas, com geração de oportunidades para inclusão de pessoas em situação de vulnerabilidade econômica e social no mundo do trabalho, do emprego e da renda, seja por via da produção e comercialização, do emprego formal, do empreendedorismo popular ou da economia solidária, com foco na assessoria técnica continuada e apropriada, assegurando a autonomia plena das famílias.

Os editais irão possibilitar o abastecimento das escolas atendidas, diretamente dos próprios empreendedores municipais, com comida de verdade e garantirão a autonomia dos agricultures locais, conforme salienta o Coordenador Geral de Ações Estratégicas de Combate à Fome, Tiago Pereira: “O estímulo a produção de alimentos saudáveis, perpassa também pelo fortalecimento do acesso aos mercados institucionais ( e o PNAE) é um mercado potente para Agricultura Familiar, ajudando assim, na geração de trabalho e renda. Os contratos aqui assinados com cooperativas da agricultura familiar ajudará a melhorar a economia local e regional, porque teremos produção, comercialização e dinheiro nos municípios sedes dessas cooperativas. E quem ganha com isso é a população, em especial os estudantes em formação, porque consumir produtos de qualidade é ter saúde e longevidade”, celebrou Pereira.

O plenário contou ainda com a participação de estudantes de escolas, nutricionistas, cozinheiras, gestores e de representantes da Secretaria de Educação – SEC e Secretaria do Desenvolvimento Rural – SDR.

Repórter: Camila Fiuza/BSF

Doe aqui
Bahia sem fome
Icone Whatsapp